sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Riso


riso
não foi feito
pra caber em bolsa
pra se levar em bolso
pra se guardar em gaveta

de riso
que vem do peito
não se lava louça
não se tem reembolso
não se pede gorjeta

riso
há de ser solto
talvez revolto
quase careta

riso
é um som mudo
boca de veludo
de outro planeta



Para Betita, minha irmã,
que me inspirou no Facebook
com a música Can't help but smiling,
de Devendra Banhart.

19 comentários:

Renata de Aragão Lopes disse...

Nem tente segurar o riso! :-)

Artes e escritas disse...

Um poema prá lá de simpático, felicidades em família. Um abraço, Yayá.

Assis Freitas disse...

riso é risco em sopro,


beijo

Wilson Torres Nanini disse...

Riso é independente dos lábios, um catavento à solta.

O poema transborda contentamento!

Abraços!

Mero Esmero disse...

simplesmente fantástico!

Fraterno Abraço!

MIRZE disse...

Renata!

Como precisamos de um sorriso! Na falta, escuto Smile de Chaplin.

Lindo post!

Beijos

Mirze

Evandro L. Mezadri disse...

Linda postagem, o riso realmente é importante, principalmente nesse mundo tão triste em que vivemos.
Grande abraço e sucesso!

Dalva Maria Ferreira disse...

Lindo!

RICARDO disse...

Renata

Esse seu riso inspirador coloca qualquer tristeza no bolso!

Sorrindo daqui...

Ricardo

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá Renata! Passando para te cumprimentar, saber como estás, e apreciar este belo poema. Confesso que não prendi o riso. Rsrs.

Beijos e ótima semana pra ti e para os teus.

Furtado.

Lai Paiva disse...

Com risos digo que adorei. Beijo Rê.

MIRZE disse...

Sorrindo posso afirmar que AMEI!

às vezes é difícil sorrir em certas situações, mas não custa nada!

Lindo!

Beijos, Renata!

Mirze

M disse...

Não foi feito para caber no bolso...
verdade :)

L. Rafael Nolli disse...

há de ser solto, de acordo!
Abraços!

Dalva Maria Ferreira disse...

Que o meu verso seja o mote:
que te inspire, te convide,
um sul,
um norte.

Que do meu tesouro interno
não te seja insípido
meu sal,
meu verbo...

"As angústias que me vêm
não são do além:
são daqui,
do que o homem faz de si
e ao outro,
irresponsáveis que somos
em mínimos gestos
que nos reduzem a restos
diante de um Deus
que nos guarda seus
haja o que houver..."


(nóis é nóis!)

F. Reoli disse...

Sorrir é uma arte. E, às vezes, eu perco a prática. Beijo.

luiz gustavo disse...

o ocaso de mim
entre ramos de ciprestes
o alvorecer de ti
entre gotas de orvalho
assim te levo
ao mar tenebroso
onde o vento
nos (a)guarda
onde há o sol
que (t)arda

“...tormentas de tédio -
delírios da doce lira
que o silêncio assiste...”


www.escarceunario.blogspot.com

Elisa T. Campos disse...

Gostei do seu riso.

bj

Iara Maria Carvalho disse...

gracioso e verdadeiro!

belo belo!

beijosss