domingo, 24 de março de 2013

Emergência


poesia:

antídoto
contra tédio

remédio
a contratempos

soro
antipreguiça

orvalho
que cai, lava e benze
e não aterrissa


8 comentários:

Assis Freitas disse...

veneno antimonotonia

beijo

Fabrício César Franco disse...

Bálsamo que revive, néctar que sustenta (ainda que brevemente) as esperanças, tônico para desânimos...

E você, como uma barista ou coqueteleira de melhor qualidade, sabe - como poucos! - misturar os ingredientes certos para nos embebedar do melhor das palavras.

Um abraço, com carinho!

Isa Lisboa disse...

É, sim, um remédio dos mais eficazes!

Beijo

Isa Lisboa
=> Instantâneos a preto e branco
=> Os dias em que olho o Mundo
=> Pense fora da caixa

há palavra disse...

Faça chuva ou faça sol, o poema sempre será :-)
Abs., bons caminhos !

Dalva M. Ferreira disse...

A boa poesia traz uma surpresa dentro de si. Kinderpoesia.

Renata de Aragão Lopes disse...

Obrigada pelos comentários, queridos!

Ricardo Mainieri disse...

poesia do lado claro/ou escuro da vida/poesia para fazer sonhar/para fazer chorar/sempre poesia

Beijão.


Ricardo Mainieri

Pablo Rocha disse...

A sua em especial sempre me cativou de forma especial. Gosto como a tua se faz!

Bjs