terça-feira, 6 de março de 2012

A desventura do ócio



Fosse pra ser,
teria sido.
Não se chora
pelo leite
nem fervido.

Arrepender-se
do que não se fez
é tolice.
Dói como se talvez
existisse.

Não,
não há se,
nem se não,
tudo é vão.

Passado
é letra morta
que apodrece
sem caixão.

20 comentários:

Dario B. disse...

Na mosca, não há nada a ser acrescentado. Um beijo.

Mais um imundo no mundo impuro. disse...

Guria, sabes né... que na rima tem maestria!?

Adoro passar por aqui!

Abraços Imundos.

Ives disse...

Linda poesia Srta, abraços

Maíra K. disse...

Tudo que tem ser, será. O que não foi, não foi e pronto. Não adianta viver do passado. O melhor a fazer é viver o presente intensamente, sem perder nenhum segundo!

;*

Ricardo Mainieri disse...

Perfeitos os conselhos, vertidos em poesia.
Assinalo o corte perfeito das palavras e o ritmo interessante de se ler.

Beijão.

Ricardo Mainieri

Fabrício Franco disse...

Eita que esse poema é daqueles da gente imprimir e levar consigo, e ler sempre que ficarmos presos nesse ilhó sem fim de arrepender-se do feito.

Como sempre, genial!

Beijo!

MIRZE disse...

Tanta verdade, Renata!

Um poema filosófico. sempre desyeitei o ócio. vou meditar seu poema, como sempre lindo!

Beijos

Mirze

mfc disse...

Olhemos em frente e procuremos uma razão para sorrirmos!

Magda disse...

Excelente conselho... Todos os que dele sorverem agradecerão a gratuidade.

Anônimo disse...

re falou tudo.
è isso aì

bjs tesoura

Isa Lisboa disse...

A dor de talvez existir é provavelmente das mais amargas... gostei muito desta desventura!

Mauro Lúcio de Paula disse...

Isso é mais que um poema, é um livrinho de bolso de coisas que nunca devemos esquecer, achei genial!

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Renata, minha querida amiga carioca do brejo (Juiz de Fora).
Adoro esse tipo de poema. Você é um talento. Olha que belo jogo de palavras:
"Fosse para ser, teria sido".
Muito legal mesmo.
Manoel.

Rafaela Gomes Figueiredo disse...

impressionam-me - de um modo inefável - teus versos, sempre tão verdadeiros...

beijo, Rê

Maíra Cunha disse...

Olá Renata que belíssimo blog, fiquei muito feliz de encontrar alguém que escreve tão bem! Voltarei mais vezes!
http://fazdecontatxt.blogspot.com

Simone Francês disse...

Oi Renata
grata surpresa seus poemas.Adorei!
Bjs
Simone(francês)

Simone Francês disse...

Oi Renata

Uma grata surprêsa seus poemas.Adorei!
Bjs
Simone Francês

Simone Francês disse...

Oi Renata

Uma grata surprêsa seus poemas.Adorei!
Abraços
Simone

Talita Prates disse...

Mas fico pensando na enorme diferença entre passado ido e passado passado, Re.

Que saudades de você.

Beijo com enorme carinho,

Tatá.

Jéssica Amâncio disse...

realmente, muito bom te ler.