domingo, 11 de novembro de 2012

Tocaia


Os baús me têm cochichado
coisas. Por sugestão ou enfado?
Bastaria que saltassem todas,
a evasão dos pertences mudos.
Mas não. Eles ficam, as coisas,
os baús e os murmúrios.
Desarmados, roçam-me
os ouvidos, que tremem.
Resposta imprevista
essa que vem dos baús amontoados.
Ficassem ali no canto, hermeticamente
reclusos, só fariam volume na despensa
da casa. São astutos:
criam frestas, de onde
miram minha nuca e orelhas.
A ordem do caos em dia.
O dia do caos em ordem.



Escrito durante as oficinas do projeto Ave, Palavra,
promovido pela livraria A Terceira Margem.

7 comentários:

manuela barroso disse...

Ah os baús se eles falassem, se eles ouvissem! Mas guardam mudamente os momentos no segredo de sótãos vazios.
Uma deliciosa poesia.Um encanto.
Beijinhos, Renata

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Renata, querida amiga carioca do brejo. Você escreve maravilhosamente bem. Adorei isso:

" A ordem do caos em dia.
O dia do caos em ordem."

Muito bacana, não é?
Bjos
Manoel

Ana Paula disse...

Poucos são os que tem sensibilidade para enxergar as frestas de um baú e ouvidos apurados para ouví-los. e você tem o dom de traduzir isso tudo em lindas palavras. Adorei!
Beijo

Fabrício Franco disse...

Renata,

Gostei dos condicionais, espalhados pelos versos. Uma profusão de sugestões inauditas, num poema que merece repetidas leituras.

Um beijo!

Assis Freitas disse...

foi Pedro Nava que escreveu Baú de ossos, já neste teus o espanto:
pois tudo cabe neste teus etéreos baús


beijo

Diego Zanotti disse...

Báus....baús.... só cabe neles a fantasia........ este poema é letra dentro de letra, palavra de outra palavra, baú dentro de baú.

Opa! Acho que já vi isso ....

beijos grande amiga!

Isa Lisboa disse...

São assim os baús, nunca ficam trancados para sempre...!

beijo