quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Réveillons


adoraria dizer que algo mudou, mas
não, não posso. nada muda assim,
não assim de um dia pro outro.
dezembro virou janeiro
e isso jamais alterou os fatos.
ainda somos você e eu
os mesmos de antes da ceia,
talvez apenas um pouco mais fartos.


6 comentários:

Amarildo Ferreira disse...

Esses versos lembraram que há uma inversão das coisas, principalmente ao fim de cada ano, demonstração de um pensamento que teima que o passar dos anos é encarregado de trazer o que é bom e descartar o que é ruim. No entanto, você mostra de forma simples, porém profunda, que dezembro virar janeiro não altera os fatos, e para que isso ocorra a mudança deve ser feita em nós, talvez até pelo câmbio do foco de nossa preocupação, que parece restringir-se à ceia ou aos resultados dela na balança. Shiloh.

Renata de Aragão Lopes disse...

Obrigada pela leitura e comentário, Amarildo!

Em tempo: réveillons, do verbo réveiller,
cuja tradução é despertar.

Isa Lisboa disse...

Não mudamos de um dia para o outro, mudamos todos os dias!

Um feliz 2014, com as mudanças necessárias!

Fabrício César Franco disse...

Essa é a minha sensação, cotidiana, Renata. Mudamos não em função de datas (artificiais como fronteiras cartográficas), mas pela colisão com os fatos, emoções e sentidos, dia após dia.

Novamente, muito obrigado pelo presente. Estou adorando ler!

Beijo!

Dalva M. Ferreira disse...

Mudaram as estações, nada mudou... precisamos tanto desses rituais!

Tais Luso disse...

Gostei! Datas não alteram nada, não precisamos de datas para desejar felicidade, saúde e prosperidade a todos. Desejo isso diariamente.
Um abraço! Felicidades...rs