domingo, 5 de março de 2017

Libidinoso


já nem preciso
fechar os olhos:

na sobra de sol
que pula
a janela do quarto

na dobra do lençol
que ondula
o relevo do ventre

na manobra do vento
que burla
o véu das cortinas

vejo você
à claridade do dia
e falo

entre...

lábios que amanhecem
pernas que obedecem
a cama está vazia



Tela: Floating Nude, de Gustav Klimt.

Um comentário:

Aline Barra disse...


Deu vontade de entrar!

Belíssima tradução de um desejo, Renata.
Adorei!

Abraços!
Aline.