terça-feira, 9 de junho de 2009

Ao aguardo do amor



Também sempre quis, amiga,
um amor que me viesse cantiga.
Que me ninasse
ao cair da noite
e me cantarolasse
à moda antiga.
Um amor ameno,
a menos
quando assim não o quisesse.
Um amor que soubesse
fazer-se meu
sem que eu
tivesse de pedi-lo.

Sempre quis, de verdade,
um amor que não gostasse
disso ou daquilo.
Um amor que concordasse
em ir comigo a todo canto
apenas pela minha companhia.
E que me trouxesse
menos dissabores
e mais alegrias.
De todos os meus amores,
o que me desse mais carinho,
o que me quisesse sua
sob todas as luas.
Mas um amor
que soubesse estar sozinho.
Que tivesse
afazeres particulares,
alguns prazeres
de quando ainda menino.
Um amor leve
que compreendesse
a ausência breve
de quando me sinto poetisa.

Também sempre quis, Elisa,
um amor que me aplaudisse.
Um amor maduro
que não temesse
me perder por tolices.
Que, seguro,
ele me motivasse a ser mais,
desprezando o ciúme
que, vez ou outra, sentisse.
Um amor que me beijasse
com suas mãos
em meu rosto.
Que me deixasse
na boca
um gosto de céu.

Cadê esse amor
que não sai do papel?
Que encomenda é essa
que não vem?
Metade de mim se desespera.
A outra metade é só de espera,
seja lá o tempo que passe.
Ah, eu sempre quis um amor
que assim também me aguardasse.


Diálogo, datado de 19/09/2006, com Elisa Lucinda, autora de Da chegada do amor:
http://www.escolalucinda.com.br/bau/dachegadadoamor.html

26 comentários:

Renata de Aragão Lopes disse...

À semana dos namorados...

Ernani Netto disse...

Lindo texto!

Quem não quer um amor desse?

Bjaum

VFS disse...

amor e desejos ...

na ternura das palavras.

belo poema (ou diálogo)!

beijos
Vicente

Neotenia disse...

Obrigada por sua visita ao meu blog, vim aqui para agradecer e já virei fã... AMEI suas palavras... Super vou ser suas seguidora...rs!

p.s. não se preocupe com a sua encomenda de amor, às vezes demora, mas chega!

Beijos!

Luciano Fraga disse...

"Uma parte de mim pesa e pondera, outra parte delira, uma parate de mim almoça e janta, outra parte se espanta, traduzir uma parte na outra parte é uma questão de vida e morte..." Que bom seria encontrarmos este equilibrio em nossas relações, belo poema, abraço.

meuladocontido disse...

Olá Renanta! Obrigada pela visita...
Seja sempre bem vinda!

Você ri né? rs
É a verdade é que eu também não quero mais me levar tão a sério assim..

Lindo post.
O amor esperado se resume a isso mesmo, as vezes acho que ele não existe. Outras prefiro acreditar que sim. Isso é o que me motiva. SE existir que eu o conheça um dia, tomara.
Agora eu graças a Deus não vivo só a espera dele,assim acabaria louca....

Beijos adorei aqui... Estou te seuindo!!!

Bea - Compulsão Diária disse...

Renata ,
que amor é esse?
é amor-perfeito!
Existe feito flor. Mas homem ou mulher? Sei não.rsrs. Mas o poema está aí - perfeito!

Anônimo disse...

renata,existe sim um amor perfeito.

E nós duas temos.

bjs
malvina

Renata de Aragão Lopes disse...

Obrigada pela visita, Ernani! Verdade... Quem não gostaria de ter um amor assim?

Poema e diálogo, Vicente! Escrevi "Ao aguardo do amor" após a leitura de "Da chegada do amor", de Elisa Lucinda. Foi como se conversássemos...

Ei, Ana! Que bom que gostou do blog e se tornou seguidora! Sim, sei que, um dia, a "encomenda" chega... (risos)

Equilíbrio - disse tudo, Luciano! Obrigada pelo comentário.

Você que se contém, acredite no amor! Ele existe...

Amor-perfeito, Bea! E toda flor tem espinhos... Eles só precisam ser toleráveis.

Ah, Malvina... Cuidemos dos nossos jardins! (risos)

Um carinho a todos vocês!

anazézim disse...

Gostei das cores aqui!

Re: olha, não tenho nada contra aquarianas ou anos! hehe o fato é que eu sou leonina! :p e também assumida!

beijo.

MADRUGADA... disse...

Belo poema.

(*)

Tião Martins disse...

O amor é li(n)do!

rsrsrsr

E viva os namorados!

Adriana Godoy disse...

Ah! Que delícia de amor, no fundo, sempre queremos algo assim, né não?? Beleza, Renata. Gosto muito de seus textos. Bj

Talita Prates disse...

Posso chorar?
Posso rezar esse poema?
Posso cantá-lo?
Posso Ctrl C +Ctrl V ele no meu blog (um dia)? na minha vida (toda)? na minha história (pra sempre)?
Amém amém amém. Pra mim. Pra todos nós.

PS: obrigadíssima pela visita no meu novo cantinho.

Bjão, Re, querida.

Renata de Aragão Lopes disse...

Ana Leonina, que bom que gostou das cores! Volte sempre!

Madrugada e Tião, obrigada pelos comentários!

Adriana, fico muito feliz por apreciar o que escrevo, pois também acompanho a sua produção literária com gosto!

Talita, fique à vontade! (risos)

Muito amor pra vocês!

marcelo disse...

Oi Renata! Teu blog foi umna bela descoberta. A partir de agora estarei te acompanhando de perto. Esperar não é difícil, mas é melhor do que se contentar com o que cair na rede né? Tô contigo nessa. Um beijo para ti!

Sabrina Davanzo disse...

Que delícia um amor assim, Renata! Acho que tive algo mto próximo disso...

Tião Martins disse...

Enquanto aguardamos o amor tomamos um porre de carinho. rsrsrsr

beijos Renata!

Renata de Aragão Lopes disse...

Concordo, Marcelo! Nem tudo que cai na rede é peixe! (risos) Obrigada pelo gentil comentário. Aguardarei seu retorno!

Tão nova e já teve um amor assim? Que bom, Sabrina! Que a sorte lhe acompanhe e lhe traga outro ainda mais encantador... Beijo.

Carinho é bom demais! Abraço, Tião!

A. Sorrentino disse...

Que lindo! Simplesmente falou por mim. É uma doce melodia essa sua poesia. Gostosa de ler e cheia de sensações. Adorei! Vou voltar sempre.

Dre disse...

Lindo seu blog e o que escreveu nesse post. Mais um vício agora, além de Fabrício :)
Obrigada pela visita e se puder passe lá de novo, prometo abrir o arquivo!

Luciane disse...

Elisa Lucinda é tudo de bom! Eu tenho um livro maravilhoso dela de posia, chamado "A fúria da Beleza". Meu sonho é fazer um curso com ela no Rio de Janeiro! Imagina só, aprender a fazer poesia num lugar mágico!
Bjão, guria!

Renata de Aragão Lopes disse...

Obrigada, Chiquita! Espero, realmente, que volte sempre. Um beijo!

Que honra, Dre! Colocar-me, em suas leituras, ao lado de Fabrício, cujo blog acompanho já há algum tempo. Retornei ao seu blog e vi que cumpriu a promessa! (risos) Um abração!

Poxa, Lu! Compartilhamos o mesmo sonho... Moro em Juiz de Fora, bem pertinho do Rio, mas os cursos na Escola de Poesia Viva, infelizmente, ocorrem durante a semana. Através de e-mail, Elisa me agradeceu o poema e eu lhe sugeri que promova um workshop aqui em minha cidade. Daria pra sentir o gostinho... (risos) Beijo pra você! Estava sumida!

Talita Prates disse...

Rê,
qualquer dia desses vc me "empresta" esse poema, pra eu colocar no meu blog (com os devidos créditos, claro?!)
Diz-que-sim, por favor.........
Bjo.

Renata de Aragão Lopes disse...

Claro que sim, querida!
Adorarei vê-lo em seu espaço tão bonito...
Beijo!

Aline Patrícia disse...

Oi, Renata!

Claro que vim aqui conhecer teu cantinho e em especial este texto que citastes no comentário.
Encantada com a beleza dos versos e a leveza com que a "conversa" flui. Todos temos "quereres", mas ocorre que nem todo mundo se vê à vontade para declarar suas idéias e seus ideais.

Cheiros :)