sábado, 26 de fevereiro de 2011

Esfarrapado



como
de costume,

o pedido
de desculpa

veio em flores
de tecido:

colorido,
sem perfume,

com anseio
de eternidade


22 comentários:

Patrícia disse...

Que o pedido seja eterno para que não se repita o erro... :)

Beijo

Albuq disse...

Muito legal!

Nadine Granad disse...

Adoro seus poemas que sintetizam... e dizem tanto!...

A artificialidade exposta tão sutilmente... ou a tentativa de não apagar o momento... adorei viajar!


Beijos =)

Valquiria Calado disse...

As vezes queremos nos redimir, e sai assim, esfarrapado... perdoei.

Mirze Souza disse...

Esse hábito ainda me tira do sério!
Sempre vem em forma de flores, as desculpas. Pelo menos esse pedido foi mais original e verdadeiro. Veio seco e sem perfume.

Mas com desejo de eternidade!

Ah! Renata, como eu gostaria de dizer outras coisas, mas não posso.

Você é demais! PONTO!

Beijos, poetisa!

Mirze

Dalva Maria Ferreira disse...

Aceitar o pedido,ou fingir que aceita: aí reside a sabedoria, o verdadeiro pulo do gato.

Sentimental ♥ disse...

o povo acha facil: é só fazer a * depois pedir desculpas q fica tudo bem... poisé, mas não fica.

Cria disse...

Excelente postagem, como sempre, de muito bom gosto ! Beijos, que teu domingo seja pleno.

Mário Liz disse...

um Flor de Tecido
nunca pode ter sido...
e se algo foi
quando foi
nem foi sombra de flor.
mas uma flor de Ter Sido
mesmo seca...
é sempre mais flor
que qualquer flor de tecido.

(MÁRIO LIZ)

Obrigado. tuas palavras me inspiraram. postarei este poema no meu blog e indicarei o doce de lira aos meus leitores.

Anônimo disse...

re as vezes é muito dificil pedir desculpas, e as flores falam por nós( só que tem que ser naturais e de preferencia perfumadas) para que as desculpas sejam eternas.

bjs tesoura

Edu disse...

Já acho flores piegas... pra pedido de desculpas então... q coisinha feia...!

Mas fica assim não, flores murcham.

Bejo!

Lara Amaral disse...

As flores vivem para ver o sentimento que murcha.

Beijo!

MariaIvone disse...

Como de costume, seus poemas me encantam!

bj

Geraldo de Barros disse...

bonito, linda construção, algo dolorido com suavidade :)

beijos
G.

Luiza Maciel Nogueira disse...

um encanto realmente, essas cartas - pedidos pela paz

beijos

Fernanda Amábile disse...

um pedido sincero, pra que não se repita. bonito mesmo. bjoo

RosaMaria disse...

Cada palavra, um beijo a menos.

Primeira vez aqui.
Gostei muito.

Seguindo.

Bjs
boa semana

Lucão disse...

Oh, que bonito!
:)

Um cara de pau esse pilantra
rs

:**

Pedro disse...

Vale reconhecer o erro e recomeçar...

Mauro Lúcio de Paula disse...

Pedir desculpas é muito bom. aceitá-las é uma outra coisa. Dizer coisas belas sem dizer tudo é uma arte para poucos e você é um desses poucos, tá! Gostaria de dizer outras coisas, mas não posso...viajei muuuuiiitttoooo!!!!
um abraço.

Magda disse...

Erros, vacilos, mancadas... não importa o vocábulo. Se é sincero, o pedido de desculpas é válido, seja em forma de trapos ou traços, canções ou emoções. Se não for, o sofrimento é de quem mente, omite, engana. A gente sempre sabe quando deu o melhor de si. E isso NINGUÉM vai tirar, pelo menos, não de MIM!
Grande prazer, Renata e seja bem-vinda!

Adriana Alves disse...

Você escreve de maneira tão delicadas. Adorei,