quarta-feira, 1 de junho de 2011

Mistério da fé


não me pergunte
por que acredito

pra mim
sou infinito

andarilha
sempre a seguir


não me pergunte
por que creio

não sou fim
mas o meio

trilha
de eterno ir-e-vir


ninguém me disse
ou não tive ouvido?

parece crendice
o desconhecido

apenas sinto
ser a Verdade


o mundo é pouco
pra tanta beleza

e é preciso ser louco
de quinta grandeza

para nele não ver
a Divindade



Para Pretinha.

18 comentários:

Luiza Maciel Nogueira disse...

lindos versos! Com fé pelo menos na poesia.

bjs

Fabrício Franco disse...

Se antes eu me deslumbrava com sua sagacidade em escolher as palavras, agora eu me embasbaco vendo que tudo é mais profundo e denso, as ideias se formando como gigantescos icebergs sobre a superfície da folha.

Adorei!

Beijo!

Valéria Sorohan disse...

Tem coisas que realmente (nos) calam... e silêncios que realmente (nos) falam... Linda a sua poesia, como sempre. :)

BeijooO*

MIRZE disse...

Lindo Demais, Renata!

Somos mesmo "o meio". Ainda bem, pois as vantagens são inúmeras. Eu também creio, mas já ouvi muita bobagem apenas por crer.

Beijos, querido!

Mirze

Adriana Godoy disse...

"Andar com fé eu vou, que a fé não costuma falhar...Beleza, menina! bj

Tania regina Contreiras disse...

A-do-rei e vou levar pro feicibuqui...:)

Tiago Moralles disse...

Amem.

Mário Liz disse...

eu duvido.
tu duvidas.
ele duvida.
nós acreditamos ...

Anônimo disse...

re como diz o Mario Liz
eu duvido
tuduvidas
eleduvida
nós acreditamos.
continue acreditando você só tem a ganhar (isso ninguem duvida ok?)

bjimtesoura

Flor Baez disse...

Que versos lindos!
Parece brotar uma primavera em cada palavra tua.
Bjs

Dalva Maria Ferreira disse...

Mesmo não crendo, te entendo. O que você chama de Divindade, está dentro de cada ser. Difícil de ver, muitas vezes.

Eraldo Paulino disse...

É o tipo de coisa que me interessa. Deve ser porque quanto mais a gente encontre respostas sobre o sagrado - aos não fanáticos - mais aparecem perguntas. Excitante isso.

Querida, gostaria de informar que meu blog encontra-se em manutenção até segunda feira, 20/06, às19h.

Inclusive, gostaria de te convidar pra me visitar a partir desse dia, pra celebrar comigo os 02 anos do paulinisses.

Caso possa dar uma passada, seria legal.

Bjs!

Deyse Batista disse...

Que inveja dos seus poemas. são tão lindos!

Beijos.

Alicia disse...

essa imagem é tão linda....faz pensar tanto...!

e que palavras mais delicadamente pesadas...

Ozias Filho disse...

gosto da sobriedade do seu blogue ... clean...muito bom gosto...

de Lisboa envio um abraço,

Ozias Filho
http://orelogioavariado.blogspot.com/

Ricardo Mainieri disse...

Obrigado pelas visitas ao blog, moça.
Muito bons seus últimos poemas, principalmente este que fala, de forma simples e profunda da fé.


Beijão.

Ricardo Mainieri

Carlos Leite disse...

Tem razão naquilo que transmite no seu poema, contudo, por vezes não é tão linear a questão da religião...
Por vezes, sentimos, mas duvidamos..
Duvidamos porque há fome, guerras e injustiça e somos obrigados a questionar, "que mundo é este?".
Mas, concordo com o poema :)
É preciso ser louco para nele não ver a Divindade, tal como afirmou.


Atenciosamente,
Carlos Leite, http://opintordesonhos.blogspot.com

Gavine Rubro disse...

Gostei

Do espaço e deste belo poema

lembrou-me um meu : http://celularubra.blogspot.com/2011/01/isto-muito-menos-e-muito-mais-poema-de.html


Estou seguindo este cantinho, colega do Poema dia,
Longa vida, à Poesia!

Gavine rubro