segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Pura magia





tivesse varinha de condão,
minha vida não seria tão distinta

talvez mais tempo livre
para preenchê-lo

a coragem de pôr tinta
laranja no cabelo

uma granja
em que criasse galinhas

a certeza de ter suas coisas
junto às minhas

nada além,
que a vida se basta...

[tivesse varinha de condão,
daria essa convicção à outra casta]


Em agradecimento à poetisa Mirze Souza,
por me ver com uma varinha de condão em cada dedo.

28 comentários:

Lara Amaral disse...

Ah, que delícia de poema! E dedicado à tão querida Mirze, que sempre nos acompanha de forma amiga com os mais doces comentários.

Beijos nas duas!

Patrícia Gonçalves disse...

Oi Renata, bom vim te ler! Concordo com a Lara, delícia de poema!

beijos nas três!

Pablo Rocha disse...

Tivesse varinha de condão, teria escrito eu este poema.Rs... Muito bom, só pra variar, Renata.

Beijos!

Lua Nova disse...

Vou dizer o que? Vc sempre escreve como se tivesse a tal varinha de condão... Lindo... gostoso de ler...
Beijokas.

Maria Rita disse...

Nestes dias corridos é sempre muito bom encontrar cantinhos como este.
Belíssimo poema!

Beijos pra Ti

Mirze Souza disse...

Renata, doce amiga!

Comoveu-me este seu poema. Tocou-me com varinha de condão.

Obrigada, não estou acostumada a ser tratada de forma tão meiga e doce.

Beijos,

Mirze

Sabiana M. disse...

Tivesse varinha de condão... ah, o mundo seria bem mais simples e bonito, como o teu poema!

Tiago Moralles disse...

Encantando.
Como sempre.

Brunno Lopez disse...

Acho que nem precisa do instrumento 'vara de condão'

O encanto está nos seus dedos.

Pérola Anjos disse...

Tens uma varinha de condão, tuas palavras são mágicas!

beijos!

Pérola Anjos disse...

Tens uma varinha de condão, tuas palavras são mágicas!

beijos!

Metamorfósico Imutável disse...

Uma varinha de condão resolveria muita coisa. Por onde começar? Linda, vc!

Hercília Fernandes disse...

Belo, Renata.
És feiticeira das palavras, a Mirze bem o disse!
Beijo,
H.F.

Daniela Delias disse...

E fez-se o encanto!

Dalva Maria Ferreira disse...

Lindo poema, mas mentiroso. Eu acho que você tem sim uma varinha de condão. Pelo menos quanto às palavras: elas te obedecem!

orvalho do ceu disse...

Olá, Renata querida
Venho propor-lhe algo no meu post de hoje...
Conto com sua participação amiga.
Excelente semana,cheia de ricas bênçãos!!!
Abraços fraternos

Domingos Barroso disse...

Escreveste tão delicadamente
como se aos teus dedos
um varinha de condão.

Magicamente lindo.

Carinhoso beijo.

Fernanda Amábile disse...

nada como ler um dorce destes.
bjoo

contagotas disse...

Acho que é bem verdade o que a Mirze disse. E, se dúvidas houvesse, bastaria ler seu poema.

Bjos
MariaIvone

Rob Novak disse...

Não é a toa que magia rima com poesia.

Gostei do poema.

Bjo

Albuq disse...

Linda poesia delicada feito magia... bjs

Jessy Rodrigues disse...

Se tivera varinha de condão
teria poder de pedir o que me levasse a ser feliz.
Mais por vezes, diria eu que seria feio, pois me encanta ver que as coisas tendem a acontecer de própria magia e natureza, fazendo-se assim especiais ao seu momento.
é o que penso...

BeijoEstalado!

Escritora disse...

Como sempre, maravilhoso!

lis disse...

Oi Reanata
Sou sua seguidora e hoje entrei pra ficar, saboreando palavras como se fossem " doce(s) de lira" rsrs
Muitos poemas lindos,
varinha de condão
como precisávamos de uma agora! nesse domingo!
abraços e bom voto

marjoriebier disse...

Amei esse poema, Re!!!!

Beijo

Talita Prates disse...

um encanto!

=)

Tatá.

Marcelo Novaes disse...

Renata,



"Jeannie é um gênio" satisfeita com a própria vida.


:)




Um beijo.

Sabrina Davanzo disse...

Você faz mágica com as palavras, Renata!

Beijos

Sabrina