quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Ponto pro vigário



Que o escapulário
te guarde
primeiro de ti.
Do vício,
do ódio,
do ócio da tarde,
do peso de te julgares acima,
dos pesares por quem sorri.
Nem imaginas:
os temíveis males
se hospedam nos vales
da alma.
Que o escapulário
te guarde
primeiro de ti.
Depois dos perigos
não íntimos
e ínfimos
que há por aí.


35 comentários:

Renata de Aragão Lopes disse...

Qual o seu pecado capital?

Marcelo Mayer disse...

cigarro!

BAR DO BARDO disse...

Amém!

Erica Vittorazzi disse...

Meu pecado é chocolate. Mas, vivo sem culpa!!


Amei o seu poema!!!

Tiago Moralles disse...

Meu pecado são sardas ; )

Luciane Slomka disse...

Adorei! Nossos piores pecados são esses que moram bem dentro de nós. Os pecados que cometemos contra nós mesmos. É sempre por esses que pagamos mais caro!
Lindo poema!
Bjos!

'Ariane .( lla Belle )' disse...

Amo sempre tudo o que escreves.

Beijos

Mai disse...

E que da penitência qual seja, a remissão dos pecados é esta poesia.
Assim seja!

Namasté.

Meu tudo e/ou nada disse...

poesia... e que o escaoulário se quebre e deixe-a livre \o///

vai adoçando...
bj

Carla disse...

lindo e significativo poema
beijos ;)

renata disse...

é preciso se proteger do que escurece a alma, para depois olhar pela janela.

um beijo!

Marcelo Novaes disse...

Renata,




Meus pecados capitais se contam nas contas de um rosário indiano: cento e oito.



Ainda vai querer conversar comigo?!


;-)





Gostei do poema.



O negócio é mergulhar nos vales com o escapulário. Não simular que paira sobre. Aí, vai-se desistindo das bobagens (= "pecados capitais"). Pra ficar só nos 108, eu já me livrei de uns mil e oitocentos...




Beijos, amiga.










Marcelo.

Marjorie Bier disse...

Livre-me dos poços e dos becos de mim, Senhor!

Felipe A. Carriço disse...

Colete a prova de balas.

Gostei muito deste poema.

Até mais!

Adriana Godoy disse...

Então que assim seja. Gostei, Renata. Bj

Talita Prates disse...

Que o Deus te ouça,
amém.

Bjo, querida amiga! :)

Lara Amaral disse...

A própria mente, sem dúvida!

Como duvidar do que vc diz?

A gente se encontra em cada virgulazinha.

Bjos.

Renata de Aragão Lopes disse...

Marcelo Mayer, cigarro faz muito mal à saúde - não só à sua, como também à alheia! Por que não escolhe um vício menos danoso? : )

Bardo faz coro comigo: "amém".

Érica Vittorazzi, chocolate não é pecado... (risos)

Tiago Moralles, a luxúria em sardas! Adorei o vínculo com seu microconto! : )

Luciane Slomka, o maior perigo reside em nós...

Ariane, que bom que você aprecia tudo que escrevo! Obrigada!

Mai, será que esta poesia teria tamanho poder? : )

Tudo e/ou nada, com escapulários ou não, já estamos livres. O bem e o mal, tão vibrantes na ilustração, retratam o nosso permanente livre arbítrio. Seguirei "adoçando"...

Carla, muito obrigada pela visita e pelo carinho!

Renata, gostei da sua frase: "é preciso se proteger do que escurece a alma, para depois olhar pela janela." Uma fiel leitura do poema! : )

Marcelo Novaes, suas declarações não impedirão nossa amizade! (risos) Interessante o que você sugeriu: um mergulho consciente (eu diria) nos vales da alma. Afinal, quem evita o pecado a todo custo, em verdade o comete em sigilo reiteradamente... Os seus seriam, hoje, cento e oito? Mas não seriam eles meros desmembramentos, talvez, dos ditos capitais?

Sim, Marjorie: temos vales, poços e becos...

Felipe Carriço, o colete seria nossa consciência - nem de longe, a meu ver, blindada...

Adriana Godoy e Talita Prates, que a nossa prece seja atendida! : )

Lara Amaral, a mente humana é perniciosa... Que satisfação imensa saber que você se encontra "em cada virgulazinha" da minha poesia! Ops: escorreguei na vaidade. (risos)

Um beijo em cada um de vocês!

Natália Corrêa disse...

Meu maior pecado é gostar de pecar...

que o escapulário me guarde de mim! =P

Marcelo Novaes disse...

Renata,



São filigranados e ornados. Lembram arabescos árabes.



Meu maior pecado capital era a luxúria, não confundida (ou obnubilada) com a remota idéia de que pudesse se assemelhar ao amor romântico. Era luxúria "das brabas" mesmo. Misturada com simpatia/ empatia, afeição. Muita amizade colorida, também.



Mas hoje sou um "rapaz" de família... E as aspas ficam só no "rapaz".



Ps. Veja que lindo poder acompanhar o ajuizamento de um homem!



:)





Beijos, amiga.






Marcelo.

Anita Mendes disse...

e esses pedaços de pano que nos cobrem mais não escondem nada.

Nydia Bonetti disse...

Renata

Eu tenho uma imensa devoção pelo escapulário, que uso desde muito menina, acredita? Não como um amuleto, mas como um símbolo de fé. E ele nos protege, eu creio. Sobretudo de nós mesmos...

Beijos!!!

guru martins disse...

...manda um
pra mim
com essa
benzedura...

bj

Gerana Damulakis disse...

Bonito, Renata.

Juliana Lira disse...



Amém!Primeiro de mim...
Vários, o ser imperfeito mora bem aqui, tento melhorar ele todo dia, quem sabe um dia?

Milhões de beijos

marinaCavalcante disse...

Simples, verdadeiro,
simplesmente belo.

E que sabedoria!

Coisas que sei,
mas não consigo (ainda)
expressar como fazes.

=) Parabéns!!!

Um grande abraço
e espero sempre o seu
comentário!!!

Paulo Rogério disse...

Lembrou-me uma fábula segundo a qual o homem carrega dois alforjes: um na frente com os pecados alheios, e outro às costas com os próprios. De modo que só consegue ver os erros dos outros... Rsss.
Muito significativo, Renata. Beijos.

Renata de Aragão Lopes disse...

Natália Corrêa, pecadora convicta? Não sei bem o porquê, mas duvido que seja assim! : )

Marcelo Novaes: ajuizado, quase um moço de família! (risos) Imagino que conheça muito bem os seus "pecados" e por eles se responsabilize como poucos.

Anita Mendes, que singela alusão ao mito de Adão e Eva! Verdade: estamos nus.

Nydia Bonetti, também tenho fascínio por escapulários... Que bonita a sua devoção! : )

Guru, como era eu adoraria ser sacerdotisa... (risos)

Gerana Damulakis, que bom que gostou de mais um doce! : )

Juliana Lira, a busca pelo aperfeiçoamento já deve nos redimir de muitos pecados, não acha?

Marina Cavalcante, obrigada pelo carinhoso elogio! Retribuirei suas visitas! : )

Paulo Rogério, encantadora esta fábula... Não a conhecia. Muito grata por cada comentário seu aqui na confeitaria!

Um abração a todos!

Mariana Klein disse...

Olá... você escreve muito bom! Adorei o seu blog! Parabéns!
Abraços

Bezerra Guimarães disse...

Meu maior pecado é o chocolate...
Mas às vezes acho que ele que me protege de mim...

rsrsrs.

Beijos,
Ry

Vital disse...

meu pecado é talvez não crer em pecados...

eu li esse poema e senti como uma oração, você escreve mesmo muito bem!

Rafaela Figueiredo disse...

dá uma boa oração, hein?!
muito bom!


*resp à pergunta: aff, com certeza a Preguiça! zeeeus, é crônica já! "/
mas tb varia de 'coisa pra coisa', sabe?

beso

Renata de Aragão Lopes disse...

Mariana Klein, muito obrigada pela visita! Espero que retorne ao doce de lira!

Bezerra Guimarães, como falei logo acima, um chocolatinho não chega a ser pecado! (risos)

Vital, muito intrigante o seu comentário: disse que não crê em pecados, mas que sentiu o poema "como uma oração". Sua religiosidade não teria senões? Obrigada pela participação e pelo grande elogio ao final!

Rafaela Figueiredo, a poesia parece, realmente, uma oração... Quanto à preguiça, quem não a possui de vez em quando? : )

Um beijo a todos vocês!

Geraldo de Barros disse...

Gostei muito de ter conhecido seu espaço, estou deixando meu e-mail aqui caso queira trocar algumas palavras, tudo bem? ge_jr11@hotmail.com (não sei se tem msn, mas caso tenha e quiser add, ficarei muito grato)

Um abraço
e estarei sempre por aqui, não perco mais esse caminho :)
Geraldo.

Renata de Aragão Lopes disse...

Geraldo de Barros, fico muito feliz por saber que gostou tanto assim da minha produção poética!

Não uso mais o MSN, nem tenho twitter. Na verdade, mal tenho tempo para administrar o doce de lira. (risos)

De qualquer forma, você conhece o caminho para entrar em contato comigo. Anotarei seu e-mail.

Um abração!