segunda-feira, 2 de novembro de 2009

In memoriam



Lágrimas
a cada partida.
E choramos
não pela morte,
mas pela brevidade
da vida.
Os que vão
deixam rastros
que não passarão
àqueles a que deixarei
os meus.
A saudade
dura pouco
além do adeus...
Levarei comigo,
é bem possível,
eu sei,
os últimos vestígios
daqueles por quem chorei.


Crônica de 2006 que virou poema.

38 comentários:

Renata de Aragão Lopes disse...

Àqueles que levarei comigo.

Marcelo Mayer disse...

e deixo minhas cinzas com saudade

belo! belo! belo!

'Ariane .( lla Belle )' disse...

Beliissiiimoo!

Beijos

Mahria disse...

Verdade Renata
O choro não é pela morte
Mas por ter sido tão breve a vida...

Bjs
Mah

Natacia Araújo disse...

Morte, corpo animal estranho em nós.
Lindo!

Juℓi Ribeiro disse...

Lindo!
Maravilhoso!
Beijo.

marcia szajnbok disse...

sempre levamos, querida... os que já foram aqui estão, dentro nós, sempre...

beijo

Marcos Satoru Kawanami disse...

na morada do defunto,
à minha avó eu pergunto:
- vovô tem "chegado junto"
na cidade dos presunto?

Marie disse...

Houve temos em que eu chorava pela brevidade da vida. Hoje aprendi a sorrir com as surpresas que o tempo me traz.

Marcelo Novaes disse...

Àqueles que te têm em si, porque te carregam.






Beijos,










Marcelo.

Lara Amaral disse...

Guardo tbm vestígios de duas pessoas especiais. Quem não guarda?

Bonita homenagem. Beijos.

Lau Milesi disse...

(...)Os que vão deixam rastros que não passarão .
Os meus(que foram) deixaram muuuitos rastros... Lindo, Renata! Lindo!

Um beijo

E.T. Obrigada por sua visita e pelo convite. Fiquei por aqui. Aguardarei você por lá.

Mariana disse...

Renata agradeço pela amável e tão agradável visita no meu blog.
Esta poesia toca no coração.
Teu blog é maravilhoso e tu uma grande poetisa.
Passo a ter seguir para sempre apreciar o teu talento.
Tenhas uma semana iluminada por Deus.
Um grande abraço.

Elaine Barnes disse...

Ficou belíssimo o poema. A única certeza da vida é a morte do corpo.Algumas pessoas que amei e se foram, ficaram guardadas com alegres lembranças que tenho delas. A vida é bela e breve tb,então, vamos construir bons momentos! bjs

Úrsula Avner disse...

Oi Renata, linda cosntrução poética, expressiva mensagem. Bj.

Lúcia Soares disse...

Hoje nem tive vontade de postar sobre Finados.
Há mortes maiores que as físicas.Bj

Adriana Godoy disse...

e a gente segue vivendo...bonito poema. bj

Edu O. disse...

Que beleza!!! Tuas palavras são tão precisas e tão necessárias.

Solange Maia disse...

É por caua dessa brevidade absurda que a gente tem que viver até a tampa... tudo... e com entrega, né ?

Lindo, como sempre.

beijão

bondearte disse...

Lindo poema
profundas palavras
Beijos

Pâmela Marques disse...

Aqueles que amamos continuam vivos em nós.

Felipe A. Carriço disse...

É a herança da saudade.

Luciane Slomka disse...

Adoro como tu escreve, Re!
A brevidade da vida é que nos dói mesmo... A onipotência de querermos ser eternos cansa. Beijão!

Natalya Nunes disse...

Que coisa mais linda...
Arrepiou quando vc disse :"não pela morte, mas pela breviedade da vida"

Muitos aplausos pra vc!

Renata de Aragão Lopes disse...

Queridos,

obrigada pela visita
e por cada comentário!

Encontrei, por acaso,
aqui na internet,
referência a um livro
que diz exatamente
o que busquei narrar
em "In memoriam":

"a gente vive
até o dia em que morre
a última pessoa que se lembra de nós. "

A alusão à obra
"Rimas da Vida e da Morte"
encontra-se disponível
no seguinte endereço:

http://blogdamarianamoura.blogspot.com/2009/11/o-ultimo-lembrar-de-nos.html

Que a reflexão prossiga...

Um beijo carinhoso a todos!

Ariadna Garibaldi disse...

O que mais gosto em teus poemas é a delicadeza que se acha neles; Você fala da morte com suavidade e doçura, gostei imensamente!

Parabéns,

Beijos

Ariadna Garibaldi

Francisco Nery disse...

estou encantado por suas poesias..
muito belas...

sidnei olívio disse...

Que beleza de poema , Renata. A saudade se funde às fotos na estante. Beijos, querida.

Mário Liz disse...

maior que a dor da morte é a dor de ser esquecido. Mário Liz ??? quem é este ??? Renata de Aragão ... o que ela faz ??? ela ainda existe ????

às vezes eu pego nesses questionamentos ... mas, de certo modo, vejo que eles não possuem relevância, porque se ao menos permanecermos vivos noração de quem nos ama, já será o bastante ...

eternidade é coisa pra vampiro ...


- Renata, eu gosto da sua delicadeza para lidar com as "bigornas" das inquietações humanas.

É realmente um doce de lira. Um doce que delira às margens de sua poesia.


abaixo, envio um poema que escrevi sobre a morte, no mês julho deste ano.


"Vestido Preto

(Mário Liz)

Vai passear, menina.
Vai pra longe de mim.
Você dança de preto.
Eu sou mais frevo em Olinda.
Vai passear ainda que não queira.
Há tanto pra limpar.
Tanta poeira.
Tanto a dizer, a viver.
A sentir.
Vai pra longe que eu quero rir.
Eu quero amar porque amo
E esse amor não acaba.
Me esquece num canto
E eu te conto como é bom acordar.
A cor dá vida ao pincel.
Um acordo do bem:
Esquece de mim uns 100 anos.
Que eu me jogo do céu
Pra nem ..."

Renata de Aragão Lopes disse...

Ariadna, muito obrigada por sua admiração!

Francisco Nery, seja bem-vindo ao doce de lira! Declarou-se "encantado" por minhas poesias... Que bom! Espero reencontrá-lo por aqui! : )

Sidnei, acredita que não tenho fotos expostas daqueles que já partiram? Minha saudade não suportaria...

Mário Liz, a princípio, seremos todos esquecidos... Quando se for a última pessoa que se recorde de nós, nosso fim restará concluído. Muito obrigada por apreciar meu estilo literário! A recíproca é verdadeira: a menina de "Vestido Preto" é adorável e, de tão sonora, pareceu-me letra de música! : )

Um abraço muito especial a vocês!

Daniel disse...

Muito bonito Renata. Na minha postagem de finados dediquei algo ao meu avô querido que já se foi.
Sempre lembraremos deles.
Beijos

Nydia Bonetti disse...

Os rastros, os vestígios... Sim eles ficam Renata, ainda que imperceptíveis. Na alma, no dna, não sei onde, mas a memória ancestral não se apaga. Eu creio mesmo nisso.

beijos.

Renata de Aragão Lopes disse...

Daniel, li a bela homenagem que fez ao seu avô. Amém!

Nydia, obrigada por me apresentar "In memoriam" sob um novo ângulo!

Um abraço a ambos!

tenorio disse...

Muito bom!

Renata de Aragão Lopes disse...

Obrigada, Tenório!

J.F. de Souza disse...

a dor se vai
(é preciso
para que sigamos em frente)
as lembranças que cultivamos
ficam

Fatima Cristina disse...

Renata,

Refletir sobre a morte é um dever de todos. Você o fez aqui com maestria. Parabéns!

Beijos

Renata de Aragão Lopes disse...

J.F. de Souza, você disse bem: é preciso que sigamos em frente...

Fátima Cristina, obrigada por tamanho elogio! : )

Beijo a ambos.