quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Cá entre nós



Não era triste.
Nem feliz.
Vivia
de uma alegria
inventada.
Sorria
feito atriz.
Disfarçava.
E convencia,
talvez porque
brava.
Quem ousaria
perguntar
a verdade?
Parecia contente.
E pronto.
E ainda havia
gente
que a invejava
por um conto
de felicidade.
O mundo
é tão mesquinho...
Não saberá
das estrelas
que há hoje
em seu céu
marinho.



28 comentários:

Adriana Godoy disse...

Parece uma dança de tão leve e uma sobremesa de tão doce. Uma belezura, Renata´. Beijo.

Tião Martins disse...

Oi Renata! Apareci pra pegar um doce.

beijos

Clarinhaaa disse...

Do céu marinho, vejo o mar... E nessa levada, mais leve, mais calma... Me pergunto que ousaria me interrogar. Certa de mim mesma, continuo a amar. Viver é preciso já dizia o poeta, porém... saber viver é outra historia... a ser lida e aprendida com um saco de doces aos lado...

posso?

bjs estalados!

Luna Sanchez disse...

Renata,

Que leveza, que lindo, que tocante!

Encantada com o que estou lendo e vendo por aqui.

Beijos,

ℓυηα

Talita Prates disse...

Que graça, Re, querida!
Lindo "pra variar"...
Bjo e paz.
PS: amo aqui.. rs

Eloisa disse...

Pensei o mesmo que a moça ali, "parece uma dança de tão leve.."

beijo.

Marjorie Bier disse...

Será que ela é delouça
Será que é de éter
Será que é loucura
Será que é cenário
A casa da atriz
Se ela mora num arranha-céu
E se as paredes são feitas de giz
E se ela chora num quarto de hotel
E se eu pudesse entrar na sua vida

- Chico Buarque -

samuca santos disse...

a pluma do poema pousou nos meus olhos...
chiii, ó o que cê fez com eu, rê
(rsss).
amei a delicadeza da estrutura: fininho, finíssimo.
para os béns!

Lara Amaral disse...

Lembrou-me um pouco da música Beatriz do Chico Buarque.
Sempre bom passar aqui quando tenho um tempinho, gosto muito. Beijos.

BAR DO BARDO disse...

Seus golpes de inocência me deixam enternecido.
Obrigado.
Bom texto, Renata!

L. Rafael Nolli disse...

Renata, um texto com um belo ritmo, uma cadência bem elaborada. E o arremate é muito bom, o poema foi muito bem concluído! Abraços.

Cris disse...

que lindo! adorei! bjs

Anônimo disse...

re é lindo; mas aposto que atualmente vc´continua brava ,porem feliz e com um céu cor de rosa
bjs tesoura

Nydia Bonetti disse...

tua poesia é encantada, renata. gosto demaaaaaaisss. beijos.

Lai Paiva disse...

Renata, quanta beleza e riqueza na sua escrita. Muito bonito por aqui. Gostei muito!!!

Sabrina Davanzo disse...

Que gracinha, Renata! Adoro demais suas palavras encantadas :)

Obrigada por suas visitas ao Inverso e um obriga especial por me presenter hj com uma rima tão leve e fofinha, como um novelo.
E sim. Suspiros. Muitos. Amo! ;)

Beijos e bom fim de semana, querida! :)

Katrina disse...

O mundo é tão mesquinho e pequenininho.

bemviver disse...

Amei seu poema, CÁ ENTRE NÓS, está uma beleza.
Meu carinho BJS.

Solange Maia disse...

Nossa....

Estou tocada, encantada.... apaixonada !!!

Tem um tanto de mim nessa "atriz"... um tanto de todos nós.

Amei.

Seria impossível não virar seguidora.

Beijo na alma doce

Renata de Aragão Lopes disse...

Aos que já me visitam, muito obrigada pelo carinho e prestígio!

Clarinha, posso lhe ceder um pacote de doces! : )

Marjorie e Lara, o poema e a letra de Chico Buarque, realmente, têm algo em comum. Que gratificante surpresa! Grata por comentarem.

Samuca, obrigada por aceitar meu convite e vir do Poema Dia até aqui! Espero que retorne!

Luna, Cris, Lai, Katrina e Solange, sejam bem-vindas! Muito obrigada às que se cadastraram seguidoras!

Fico imensamente feliz por dizerem encantadas as minhas palavras... Um beijo a todos vocês!

Igor Mascarenhas disse...

Amei a foto ilustrativa, assim como amei as suas palavras, transmitem a mensagem numa clareza perfeita...
Sim, "O mundo é tão mesquinho..." E pra mim viver neste mundo é arte, foi o que estou terminando de escrever, a arte de ser uma execeção...Depois aparece lá

Renata de Aragão Lopes disse...

Certamente, Igor, retribuirei sua visita. Obrigada pelo comentário!

Marcelo Novaes disse...

Renata,




Uma boa representação basta à mesquinhez do mundo. E já suscita até inveja, veja vc...






Beijos,








Marcelo.

Renata de Aragão Lopes disse...

Absurdo, não? Até "no palco" se desperta inveja! Obrigada pela leitura precisa, Marcelo.

Jessiely Soares disse...

Quanta coisa bonita escrita de maneira tão gostosa.

:)

LINDO!

Renata de Aragão Lopes disse...

Obrigada, Jessiely! Seja sempre bem-vinda!

Astrolábio disse...

Oi Renata, tudo bem?

Lindo poema, delicado e singelo...
Queremos lhe informar que em setembro será lançado o livro de contos "A sombra que me seguia", de autoria da jornalista Adriane Salomão. Fizemos um blog para divulgar este livro.
Se tiver interesse em saber mais sobre estes 47 contos marcados por suspense em uma narrativa bem humorada e criativa, acesse: http://asombraquemeseguia.blogspot.com/.

Obrigada!
A sombra que me seguia | Equipe

Bezerra Guimarães disse...

Pois é...
Parece que nós sempre achamos que o que é alheio é melhor... Sempre nos perguntamos... Por que ela e não eu?


Ora... Paremos, então, de imaginar coisas, achar, achar, achar...

Será que do outro lado do rio é sempre melhor?!