sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Golpe de vista



e por mais
que se esforce,
meu olhar
ainda nos trai

ao me pôr
em ti
a cada palavra
que sai

se te leio
é sempre ao meio
- da metade
até a mim

e como pode
haver verdade
nisso que é quase
um motim?


Para Talita Prates,
em um diálogo com seu poema Da nudez outra,
publicado em 21 de agosto no espaço
História da minha alma.

32 comentários:

Renata de Aragão Lopes disse...

Obrigada, Talita,
por acompanhar o doce de lira
desde o começo!

Fiquei muito feliz em 26 de junho,
quando publicou um doce meu
em seu espaço
- que considero
um dos mais bonitos!

Beijo pra você, querida!

sidnei olívio disse...

Como sempre, muito bom, Renata. Beijo.

BAR DO BARDO disse...

Rê,

gostei desse jogo comprimento versus cumprimento...

Na minha leitura, o texto procura demonstrar o quão falha é a nossa percepção da alteridade: "quase um motim".

Ah, e legal dialogar com a Talita, que é menina bastante talentosa.

Beijo!

Maldita Futebol Clube disse...

Fantástico poema, uma ilusão de ótica ou um golpe de vista, uma poesia liríca ou lúdica ou os dois? Uma justaesingela homenagem.Excelente. Beijos,leandro

Adriana Godoy disse...

Que delícia, renata...um motim desse vale a pena. Adorei. A Talita Prates deve ficar feliz com esse diálogo. Bj

Ariadna Garibaldi disse...

Clap, Clap, Clap, Clap... Aplaudindo de pé! Menina, vou te dizer: Você já se tornou uma das minhas poetisas preferidas! Parabéns!

Beijos mil

Ariadna Garibaldi

Renata de Aragão Lopes disse...

Obrigada, Sidnei, pelo "como sempre, muito bom"!

Foi no alvo, Bardo: "o quão falha é a nossa percepção da alteridade"...

Gostei muito do seu comentário, Leandro! Ilusão de ótica ou golpe de vista? Poesia lírica, lúdica ou ambos? Um pouquinho de tudo, porque sou mineira! : )

Adriana, muito pertinente sua colocação: apesar de "quase um motim", como vale a pena!

Ariadna, fiquei emocionada com os aplausos! Mais ainda com a declaração de que já me considera uma de suas poetisas preferidas! Não sei se acontece assim com todos que escrevem... As rimas apareceram em minha vida quando ainda criança e, até hoje, aos 33 anos, sinto um certo receio ou constrangimento de me apresentar poetisa - como se ainda não fosse; como se, talvez, jamais viesse a ser... E por quê? O que me faria poetisa seria o reconhecimento dos leitores? Se é assim, "meio torta", que funciona a minha cabeça, perceba o quanto foi importante o que acabou de me dizer... Obrigada - também de pé!

Um beijo especial a cada um de vocês!

Nydia Bonetti disse...

os olhares fazem isto, renata. :)
beijos.

Marcelo Novaes disse...

Renata,




Lemos o que podemos. E, na maior parte das vezes, o que já concebemos. Talita procura pela nudez despida das roupas com que vestimos o outro. Madura tarefa.




Bela escolha de diálogo: tema e interlocutora.







Beijos a ambas.









Marcelo.

Talita Prates disse...

Re,
que delícia a oportunidade de podermos dialogar
nos e pelos
nossos poemas.

Suas partilhas são sempre muito perspicazes, bem-vindas e esperadas!

Talvez devamos mesmo nos resignar (será essa a palavra?) a essa leitura enviesada que fazemos do Outro. Afinal, a vida é sempre relação: não existe apenas o objeto que é visto: existe o olhar que vê o objeto. O que é real nisso tudo? Qual é a Verdade? Podemos contempla-lá em sua inteireza?
Acho importante esse reconhecimento e, pelo menos, a tentativa autêntica de procurar a verdade das/nas coisas e pessoas.

Sem dúvida, sinto-me homenageada nessa postagem. Quanta honra, poetisa!

Acompanho-te desde o início, e espero que o caminho seja longo, para também ser longa a companhia.

Um GRANDE e afetuoso bjo.
Sua fã,
Talita.

Lara Amaral disse...

Ah, ficou muito legal. Gostei principalmente porque admiro as duas poetisas. Beijos!

Tatyane Diniz disse...

Linda!!
Adorei sua letras doces!!!
hehhe
te add em minhas tintas, ao meu quadro poético!!!
doce e tinta bem surreal!!!
beijos
taty

Batom e poesias disse...

"se te leio
é sempre ao meio
- da metade
até a mim"

É desse jeitinho mesmo que acontece, Renata. Gostaria de ter sido eu a escrever isso, poetisa.

Grande beijo
Rossana

Ariana disse...

Olá, Renata,
Vê-se que você tem mesmo dom para os versos.
Muito lindos, sensíveis e melodiosos.
Parabéns pelo espaço!

Beijos e um ótimo final de semana!

Tereza disse...

Olá Renata,

É o motim dos sentidos - verdadeira conspiração, para que olhando o outro a gente veja a si mesmo. E vice-versa.
A vida é verdadeiramente a arte do encontro.

Parabéns!
Tereza

Stella Tavares disse...

Adorei Renata, as palavras parecem brincar frente aos nossos olhos.
Um lindo fim de semana.
bjs

júlia vita disse...

Olá! Adorei seus textos, de verdade, gostei muito! Vou te seguir pra voltar mais vezes! Parabéns.

Júlia Vita

Marcinha disse...

Olá querida

Que lindo seu espaço, vim retribuir a visita, obrigada por ter passado no blogterapia !!!
Lindos seus textos !! Parabéns pelo bom trabalho ...
Vou vir sempre aqui ...
beijos

Lai Paiva disse...

Renata, quão lindos são seus poemas, doces como o dizes. Sabe, é uma honra pra mim ser lida e comentada por tão grande poetisa que é você. Muito obrigada sempre!!! Bjs

Renata de Aragão Lopes disse...

Nydia, fico feliz a cada visita sua!

Marcelo, você fez uma interpretação perfeita! E ainda distribuiu, gentilmente, o seu carinho... Obrigada!

Também você, Lara, fez questão de declarar sua admiração por mim e pela Talita! Interessante como os afins se encontram... : )

Tatyane, seja sempre bem-vinda ao doce de lira!

Rossana, quando leio algo de que gosto muito penso da mesma forma: adoraria tê-lo escrito... : )

Ariana, obrigada por registrar sua impressão primeira a respeito do que escrevo: a de que tenho mesmo "dom para os versos". Eu disse, logo acima, como é importante para mim ouvir isso dos leitores. É como se isso me fizesse poetisa...

Tereza, usou um termo fabuloso: conspiração! Que atmosfera essa nossa, não?

Stella, o tema era sério. Que bom que, ainda assim, as palavras brincaram à sua frente... : )

Júlia e Marcinha, obrigada pela promessa de retorno! Aguardarei! (risos)

Lai, suas palavras me fizeram sorrir de um canto a outro! Mais uma, hoje, a me revelar poetisa! : )

Intencionalmente, deixei a homenageada por fim! Talita, as considerações que fez engrandeceram, infinitamente, este poema - que, não à toa, já havia surgido de palavras suas! É praticamente sua voz a todo instante, a embelezar a minha confeitaria! Obrigada por cada troca. Por cada palavra de estímulo. Pela companhia, à distância, em uma mesma estrada - e, sim, que ela seja longa...

Um abraço a todos que compareceram e um especial à homenageada!

Adriana Karnal disse...

Renata,
não faz tanto tempo q te leio mas adoro o que vc escreve, acho leve, moderno, despretencioso...mas vim comentar seu comentário q li no blog da Rossana(batom e poesia):escrevo desde criança e não me acho poeta...pois tenho a mesma sensação, pra mim é estraanho me chamar de poeta...foi então q nina rizze disse: então somos escritoras,pronto.rs...

Giselle Costa disse...

Perfeito o texto, nada melhor que um olhar para demonstrar o que a alma esconde.

obrigada pela visita, gostei muito do seu cantinho, voltarei mais vezes.

bjs

nina rizzi disse...

eu gosto dos diálogos.
e dos teus doces :)

beijo.

Pedro Paulo disse...

Hehe. Muito legal o diálogo poético entre as duas. Pois é, talvez essa distorção no ver o outro, seja mais do que necessária: seja inevitável. Ter consciência desse golpe de vista e estar disposto a buscar a compreensão da nudez (literal) do outro é sim, no mínimo, uma atitude bastante madura. Agora, onde isso nos levará. é outra história... É a vida e suas maravilhas-mistérios. Beijo Renata. Prazer!

Liza Santana disse...

Oi Renata...me sinto muito bem quando estou no teu blog.

Boa semana para ti!
:)

bjo

Ricardo Valente disse...

muito bonito
beijo!

guru martins disse...

...meia verdade basta
e motiva um montão...

bj

Talita Prates disse...

Re,
sinto-me imensamente grata por tudo,
por tanto carinho.
Obrigada mesmo!

Agradeço também ao Henrique ('Bar do Bardo'), Marcelo, Lara e Pedro, pelas menções gentis!

Nos vemos no próximo poema, poetisa!

Bjo grande. :)

Renata de Aragão Lopes disse...

Adriana, não sabia que a Nina havia encontrado essa solução: somos todas escritoras então! : )

Gisele, seja muito bem-vinda! E retorne, sim, muitas vezes...

Nina, que bom que gosta do meu doce! Uma das leitoras já me disse que ele é light! : )

Prazer, Pedro Paulo! Obrigada pela visita e pelo comentário tão pertinente! "Diálogo poético" é algo que adoro! Certamente, surgirão outros...

Liza, que bom saber disso: que se sente bem aqui no doce de lira... Volte sempre! : )

Ricardo, obrigada pelo elogio!

Sim, Guru! Ainda assim, o encontro vale a pena!

Talita, tudo que leio em seu blog me sugere alguma reflexão. Desta vez, ela me veio em forma de poema! Espero que o evento se repita, pois adorei "dialogar" com você! : )

Um beijo carinhoso a todos!

Marjorie Bier disse...

Soletre, baby... que bonito!

daufen bach. disse...

dizem que para se fazer um, é preciso duas metades inteiras... então completos.Motim dos bons, da paz...rs

abraço a ti e linda semana!

Renata de Aragão Lopes disse...

Bonito foi o seu comentário, Marjorie! : )

É, Daufen... Não deixa de ser um motim "dos bons"! (risos)

Beijos.