sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Coragem!



Se o amor se acabou,
se de mim se cansou,
se assim se perdeu
o que
até então
se viveu...
Se a paixão se desfez,
se o destino apagou,
se a dor
se instalou
realmente
de vez...
Se as mãos se soltaram,
se os olhos se desencontraram,
se os passos seguiram
caminhos
distintos....
Se falta cumplicidade,
que se sobre coragem,
para ver que
esse fogo
já se foi extinto.



Poema escrito há mais de 15 anos,
classificado no 6º Concurso Álvaro Nuno Pereira.
Integra a obra Pérgula Literária VI,
publicada pela Editora Valença em 2004.

31 comentários:

há palavra disse...

Renata,
momento difícil, sempre, esse - pois existem tanto o engano de juntar quanto o engano de separar...
Toda relação se equilibra numa composição entre Cronos e Kairós...
Abraços, caminhos de bem e dos bons.

Mulher na Janela disse...

equilibrar-se entre fogo e amor, nem camões, nem camões.
poesia mais linda e açucarada das boas...no melhor e mais doce natural dos sentidos. aqueles que nos completam!

beijos...

Tiago F. Moralles disse...

Acho que nunca é tarde para se desistir.
Acabou, acabou.

Marcelo Novaes disse...

Renata,



Em sendo assim, caminhe-se...


[Tenho plena noção do teu "eu lírico", of corse...]



:)




Beijos,







Marcelo.

Ariadna Garibaldi disse...

Nossa! Perceber o fim nem sempre é fácil. Algumas vezes preferimos retardar esse momento enquanto o amor agoniza e qdo finalmente morre é difícil admitir. Mas será que amor morre? Se extinguiu, era mesmo amor? Seja como for, é preciso mesmo coragem para admitir, aceitar e seguir.

Muito lindo!

Beijos e ótimo fim de semana!

Ariadna Garibaldi

Sonia Schmorantz disse...

Que bom trazer de tão longe este poema tão bonito! Mereceu este destaque, sem dúvida!
beijo, ótimo final de semana

Eunice Couto disse...

Encontrei teu blog através de comentários no fantástico Fabricio Carpinejar. Não sou talentosa como vocês, mas faço ensaios líricos... Não resisti! Vou acompanhá-la... quem sabe aprendo um pouco, uma vez que não nasci com o dom...

Maravilhoso blog! Parabéns!

Lara Amaral disse...

Grande poetisa desde novinha, hein, Renata? Que legal! Parabéns pelas publicações. Beijos.

Natália Corrêa disse...

é sempre dificil assumir que não há mais amor.

Adriana Godoy disse...

Renata, seus poemas são tão sensíveis. Muito lindo esse, e já vão 15 anos, heim? Parabéns. Bj

Marcos Satoru Kawanami disse...

Renata,

este poema tem conteúdo triste, mas parece alegre pelo ritmo.


alguém que não se deixa levar pela auto-piedade, isso é jóia!


=D
marcos

Wilian Bincoleto Wenzel disse...

Que belíssimo poema... Obrigado por compartilha-lo conosco!

A sensação de perder alguem amado é dolorosa mesmo, mas temos que tomar decisões!

-- -- --

Irônia do destino eu nao sei, mas sei mesmo é que adorei e quero repetir a dose muitas e muitas outras vezes! (: Hehe'

Costume meu também deizar um beijo doce em meus comentários! Rs'
Pois fique com ele - beijo doce!

;*

Renata de Aragão Lopes disse...

Raul, exatamente por ser difícil, é que o ato requer muita coragem - e reflexão prévia!

Iara, "Mulher na janela", seja bem-vinda e muito obrigada pela alusão a Camões! : )

Sim, Tiago: "acabou, acabou". Ponto final.

E que prossiga a caminhada, como você bem disse, Marcelo! Este poema tem mais de 15 anos. Quantas estradas não percorri desde então... : )

Sônia, obrigada pelo comentário tão carinhoso! Bom fim de semana pra você também!

Eunice Couto, que bom ter vindo do blog do Carpinejar! Já é um grande indício de que apreciamos leituras e reflexões similares! Esteja certa de que visitarei seus ensaios líricos. Na verdade, todos aprendemos e nos inspiramos uns com os outros. : )

Lara, tenho tantos poemas guardados... Alguns datilografados, acredita? (risos)

Natália, a tarefa é difícil, mas necessária. Obrigada pela visita!

Adriana Godoy, você me acompanha desde a inauguração do doce de lira. Sua fala (Voz) sempre tem um enorme valor para mim! : )

Marcos Satoru, já até ouvi este poema ao violão! Melodia alegre! Sua presença constante no blog também me agrada muito!

Wilian Wenzel, seja bem-vindo à confeitaria! Espero que você retorne! Doçura é algo, realmente, irrecusável! : )

Um abração a todos!

Liene disse...

Renata,
Cheguei ao teu blog e gostei das doçuras que encontrei.
Voltarei mais vezes!

Um grande abraço!

há palavra disse...

"Só se pode viver perto de outro, e conhecer outra pessoa, sem perigo de ódio, se a gente tem amor. Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura.”

[Guimarães Rosa]

Fran disse...

Aii que lindo :)
Sempre digo que admiro muito quem escreve poesia, não acho uma escrita simples...
E quanto ao 'aviso' da minha postagem, é um texto inspirado em outra pessoa e um tanto fictício também.

Beeijos e bom fim de semana!

Sou blogueiro - INDICOESSE disse...

Obrigadão pela visita!
Então agora lá tem um monte de mãos, hehe

Deixa eu ver se entendi, esse poema foi você mesma que fez e foi classificado, poderia publicar de novo!?

Ótimo final de semana!

Juliano disse...

Que se sobre coragem.! Lindo de mais.

Beijooos e ótimo domingo!

NDORETTO disse...

Verdade mesmo: coragem,hija!

Apareça mais vezes, anote o novo endereço:
O PoesiARáPidA mudou para o link:

http://poesiarapida.blogspot.com

Neusa Doretto

pela
poesia
prática

- Rita f. disse...

Oh, muito obrigada pelo comentário :)
Também gostei muito do teu blog.
Continua a escrever!

Beijinho.
Rita f.

Nydia Bonetti disse...

E quanto mais velho o amor, mais coragem é preciso... Mas é preciso.
Beijo, boa semana, Renata!

[ rod ] ® disse...

perfeita... rima e precisão descritas na doce verdade do dizer... bjs moça.

Talita Prates disse...

Re,

lembrei-me do sábio malandro Leminski:

Amor, então,
também, acaba?
Não, que eu saiba.
O que eu sei
é que se transforma
numa matéria-prima
que a vida se encarrega
de transformar em raiva.
Ou em rima.

Lindo poema, querida... E escrito com tão pouca idade!

Boa semana.
Bjo carinhoso,
Talita.

Lisa Alves disse...

e no final sobram lembranças e poemas

Muito lindo!

Renata de Aragão Lopes disse...

Liene, aguardarei seu retorno!

Raul, obrigada por haver citado Guimarães Rosa! : )

Fran, sinta-se bem-vinda! A poesia pode ser simples...

Blogueiro, o poema é de minha autoria e foi classificado em um concurso literário. Inexiste óbice à minha divulgação deste fato. Obrigada pela visita!

Sim, Juliano! "Que se sobre coragem"! : )

Neusa, novo endereço anotado!

Rita, que bom que gostou do doce de lira!

Sábias palavas, Nydia: "E quanto mais velho o amor, mais coragem é preciso..."

Rod, grata pelo elogio! : )

Talita, para mim, sempre vira rima! (risos)

E, por isso, Lisa, talvez me restem, sempre, mais poemas que lembranças!

Um beijo pra todos vocês.

A Moni. disse...

Além da beleza, alegra saber que esse fogo já fora extinto há mais de 15 anos... E que certamente outra chama lhe esquenta a alma...

Lindo sempre, Rê!

Beijos!

Sabrina Davanzo disse...

Rê, lindo! E verdadeiro... sim. É preciso muita coragem.

Bjinhos,

Sabrina

Natalya Nunes disse...

Olá, Renata.
Adorei sua poesia....
Palavras que embora vindas de um coração adolescente, amadureceram diante da perda de um amor.

Lindo, muito lindo.
Adorei.

Bjs. ;*

Tiago Medina disse...

Lindo!
E é preciso de coragem pra perceber que a vida segue

Lúcia Soares disse...

Renata, esse poema retrata fielmente o que a minha Renata viveu recentemente: a separação do marido, com uma filhinha que na época tinha apenas 6 meses.
Mas está superando.Abraços

Renata de Aragão Lopes disse...

Moni, felizmente outra chama me esquenta a alma... Lindo o seu comentário! Obrigada! : )

Sabrina, é o que a vida, a todo tempo, de nós mais exige: coragem!

Natalya, que bom que gostou da minha poesia! Espero que retorne!

É isso, Tiago Medina: "a vida segue"!

Lúcia, imagino o quanto deve ser difícil para uma mãe assistir à desilusão afetiva de uma filha... Por várias vezes, já me coloquei no lugar da minha, pois frustrações não me faltaram. Muita coragem e esperança para vocês! O tempo a tudo cura! : )

Um beijo a todos!